Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Miss Nothing

"I am different ... Equal to the rest of the world."

19
Dez16

Comic Con. (edição 2016)

Hoje faz exactamente uma semana que eu voltei a casa depois de uns dias bem passados no Porto. Dei o ar da minha graça dois dias depois de ter chegado e ainda que tenha desejado vir exprimir-me sobre o propósito da viagem, acabo sempre por me perder em outras coisas que tenho e arranjo para fazer. Então, sim: uma semana depois do meu regresso, já assimilei as minhas experiências no Porto, quem revi, quem conheci, o que me diverti, já assimilei por entre leituras e lidas domésticas que - socorro - parecem ter aumentado para o dobro com a vinda do Natal e, por fim, estou aqui. Estou aqui pronta a falar sobre a Comic Con.

Hmmm...a Comic Con, o que posso dizer sobre a Comic Con? Posso começar por dizer que fui dar uma vista de olhos ao post que fiz o ano passado e que sempre se verificou o que afirmei no final: disse um até para o ano à Comic Con, graças à Smartie. Desfrutei mesmo muito da prenda de aniversário que ela me deu e: confesso: tudo me tocou muito mais do que eu estava à espera. A partir do momento que soube que ia ao Porto, e que ia marcar presença na Comic Con, passei a prestar mais atenção aos convidados e às curiosidades que iam estar presentes. Este ano a Comic Con ia atender aos gostos do pessoal que é fan (principalmente) de Avengers, de How I met your mother, de Walking Dead, de Big Bang Theory e Harry Potter e, vejam só: de tudo, a única coisa de que estou a par (e apenas em filme) é Harry Potter. Cheguei a um ponto em que acreditava que a Smartie iria usufruir do evento mais do que eu por estar suuuuppppeeeerrrrrrrr à sua medida: pessoas que ela conhece, a falar de coisas que ela conhece e gosta...tudo perfeito. Contudo, eu percebi que estava enganada e se a Smartie desfrutou do que a Comic Con lhe ofereceu este ano eu não fiquei nada atrás: fiquei tão maravilhada e satisfeita como o ano passado.

Este ano as coisas foram ligeiramente diferentes em relação a 2015 em que fui para o Porto no primeiro dia da Comic Con e voltei para casa no último. Isto significa que para falar da prenda da Smartie posso falar em dois patamares diferentes: passeios pelo Porto e Comic Con. O primeiro dia lá foi usado para eu guardar a cidade na minha máquina xpto e a manhã do dia seguinte, o primeiro dia da Comic Con, também. Senti que ir um dia mais cedo para o Porto fez toda a diferença. Senti que o tempo que disponibilizámos para passear foi o suficiente para eu ver o essencial e o que realmente pretendia. Isto, por sua vez, significou que: uma vez que os passeios estavam feitos, os dias da Comic Con eram para a Comic Con. Foi uma verdadeira surpresa para mim ir para a Exponor de manhã no segundo, terceiro e último dia, sair de lá à noite e, mesmo assim, não arranjar pedaços mortos de tempo em que me aborrecia em lá estar: foi, sinceramente, awesome todas as horas que passei na Comic Con.

No primeiro dia do evento eu vi o painel da Rila Fukushima. Guardei na minha memória que foi o ponto principal do dia, em contraste com os restantes dias que tiveram mais do que um painel interessante num só dia e, por isso, não consigo precisar o que se deu em que dia - porque, ainda por cima, houve convidados que deram o ar de sua graça em mais do que um -. Eu conhecia a Rila de um único trabalho que vi: um filme do Wolverine. Fui traída pelo filme que me levou a pensar que ela era uma perita em inglês e, afinal, não era: até foi fofo. A Rila esteve para mim como vários outros convidados se mostraram, ou seja: o que eu conhecia deles não ia além de um trabalho. A Ivana Baquero, por exemplo, que entra numa série que toda a gente na Comic Con conhecia (menos eu) e a única coisa que eu conhecia do seu trabalho era (e é) o Labirinto do Fauno. A Cobie Smulders - divertiiiiiiiiiiidaaaaaaaaaa que só visto - que reconheço de Safe Heaven (só mais tarde, for real, me apercebi que me lembrava de a ver nos Avengers). E o Kevin Sussman? Foi a propósito da série The Big Bang Theory (que eu não vejo) e o lugar onde fui e sou capaz de o reconhecer a 100% de imediato foi num filme em que o Will Smith porta o papel principal: Hitch (filme fantástico, já agora). 

No segundo dia do evento comecei os meus poucos registos com famous people. Sem passeios pelo Porto em vista, pusemos os pés na Comic Con ainda antes do almoço e com isso fomos à sessão de autógrafos do Joe Reitman.

20161209_155032.jpg

Estava nervosa como tudo quando fui ao seu encontro por ter de falar com o meu inglês com ferrugem. Cumprimentei-o e ele começou desde logo a ser um querido comigo. Disse-lhe que tinha tido oportunidade de falar e de tirar uma foto com ele o ano passado. Estupidamente, perguntei se ele tinha alguma memória disso. Argh: culpo a 100% os meus nervos: porque, claro, - pergunta parva - ele ia mesmo lembrar-se de uma cara que viu por cinco minutos há um ano atrás. Socorro. Ele desculpou-se dizendo que falava com muitas pessoas neste tipo de eventos e eu desvalorizei a questão, pedindo-lhe desculpa pelo meu inglês porque comecei a engasgar-me com as palavras. Ele, simpático, teve a vez de desvalorizar a questão dizendo que o meu inglês era bem melhor que o seu português. Deu-me um autógrafo, fez-me um smile no mesmo e no fim tirei uma selfie que podia ter ficado infinitamente melhor se eu não tivesse o telefone que tenho. Ainda é o mesmo do ano passado e a qualidade das fotografias parece, aos meus olhos, que piora conforme o tempo passa: e pior se se tratar de selfies. Ainda assim, eu estimei a memória: um upgrade da minha selfie com o Joe de 2015. Coloquei-a no instagram com uma legenda bonitinha em que agradeci a sua simpatia e o próprio foi ao meu instagram comentar a foto, afirmando que tínhamos de tirar uma outra porque aquela estava desfocada. Ri-me e fiquei parva porque agora tenho oficialmente o comentário de um VIP na lista de comentários que já me fizeram no insta e...gosh, eu não podia simplesmente negar-me à coisa ao afirmar que o meu telefone está com os pés virados para a cova e que não iríamos conseguir uma coisa melhor. Mas quem tem Smartie tem tudo: minutos depois de eu ver o comentário do Joe eu encontrei-o e fui tirar outra selfie com ele, desta vez com o telefone da Smartie que é infinitamente melhor que o meu. Assim que me viu ele afirmou que tínhamos de tirar outra selfie e eu esperei que ele acabasse de o fazer com outra rapariga para o fazer comigo. Para não arcar com culpas nenhumas, entreguei o telefone ao Joe e disse para ele tirar a selfie. Tirou uma, tirou duas e foi vê-las, ficando frustrado quando viu que ainda não estavam boas. Quis tirar mais uma, afirmando que eu merecia uma foto em condições e essa foto foi a que coloquei aí em cima. BAM.

digitalizar0001.jpg

Ficou à vista de toda a gente que as luzes dos holofotes da Comic Con estavam voltados para o Harry Potter. Eu fiquei contente quando soube que iam estares actores presentes e um deles que eu teria todo o gosto em conhecer. A Smartie, no primeiro dia, chegou-se à frente e além de comprar autógrafos e fotos para si, fê-lo também para mim para com o Jason Isaacs e eu vibrei. O que eu tinha bem presente na minha cabeça era o papel por que ele vinha à Comic Con: Lucius Malfoy, no entanto, a Smartie a falar abriu-me a mente para outras coisas e eu percebi que se fosse possível eu gostaria imenso de tirar uma foto com ele porque além de entrar no Harry Potter, ele tinha entrado num filme do Peter Pan, uma história que me é querida - não se nota: pelo amor de Deus, tenho uma tatuagem a respeito de -, e não só o fizera como intrepertara o pai da Wendy e um dos vilões que mais gosto: o Capitão Gancho. Socorro, eu gostava mesmo de ter uma foto com o Capitão Gancho! Foi graças à Smartie que isso aconteceu. Antes do painel do Harry Potter fui tirar uma foto com o Lucious Malfoy/Mr. Darling/ Captain Hook. Se eu estava nervosa para falar com o Joe, Zen não era o meu nome do meio quando encontrei o Jason. Cumprimentei-o com um sorriso simpático, chocada comigo mesma porque no pouco diálogo que tive com o homem não me engasguei uma única vez. Fui de máquina fotográfica ao pescoço e ele chegou a fazer um reparo sobre a mesma: "Cool camera". Tenho a foto bem guardada e cada vez que me lembro que tenho uma foto com o Capitão Gancho eu flipo. Os painéis do Harry Potter foram divertidos que só visto, o humor do Jason fez-me rir até mais não e foram o ponto alto da Comic Con, juntamente com os painéis da Cobie Smulders. Muito, muito top!

digitalizar0001 (2).jpg

Foi no último dia que tive a oportunidade de ir tirar uma foto com a Rila. Foi mesmo antes do último painel do Harry Potter, o último painel da Comic Con. Era a primeira na fila e durante o tempo que estive à espera ainda cheguei a ver a Katie Leung, que passou mesmo ao meu lado por duas vezes - saindo e voltando para a área dos VIPs -. Ponderei falar com ela, dizer-lhe um olá, mas ela estava com uma cara de don't talk to me! e eu não me quis arriscar. Durante os painéis do Harry Potter? Ela já parecia uma querida. Ultrapassei o momento rapidamente. Quando fui ter com a Rila estava ansiosa e nervosa - nada de novo -. Ela esperava com um ar simpático e bem disposto e assim que entrei na sala ela brindou-me com um eufórico "Hi!" ao que eu - oh jesus - respondi "Olá!". Tipo, olá. A rapariga já fala mal inglês e eu estava a atirar-lhe português para cima. Pedi-lhe desculpa enquanto lhe apertava a mão e ela desvalorizou o meu atrapalhamento, dando-me um abraço. Tirámos uma foto janota - that one - e se eu tinha pensado em agradecer pela foto e despedir-me me japonês - porque sou pseudo informada por crescer com vários animes -, tudo isso foi varrido da minha mente no momento para eu não correr o risco de me voltar a envergonhar.

A ida à Comic Con teve muitos pontos altos e poucos pontos menos bons...como a caixa de multibanco (que eu nem sequer usei mas que nem por isso deixou de me incomodar com o facto de não ter dinheiro, as suas filas e ser só uma), ou as mulheres maduras que vão pedir, alegando que é para ajudar x e que te lançam quase a lista toda das maldições proibidas do Harry Potter se não contribuires, ou a jornalista que foi moderar dois painéis com um inglês pior do que o meu - e eu nem pensei que isso fosse possível! -.

Este ano também estava a contar rever o Mário Augusto e cobrar uma selfie em condições. Estava mesmo previsto que ele fosse à Comic Con, contudo, ele estava doente e não conseguiu ir. Gostava muito de o ter revisto, mas não posso dizer que o seu trabalho foi mal entregue quando para o substituir veio o Joe Reitman. Os painéis que ele moderou foram para além de fantásticos e divertidos ao ponto de uma pessoa chorar a rir. Espero que para o ano ele o faça mais. Cada vez mais bem impressionada a cada aparição do homem, foi com gosto que eu e a Smartie fomos ao painel dele próprio onde, por entre pedidos de pessoas a trazer em edições futuras pela parte do público, o Joe falou sobre alguns trabalhos, como funciona e trabalha a Comic Con e até como passou ele a ser a cara lacora que trata de big stuff do evento. O Joe foi sem dúvida um ponto super alto, para mim, nesta Comic Con. Era como se, a cada nova vez que o via, passasse a gostar mais dele. No final do seu painel fui pedir mais um autógrafo, tirei uma nova selfie juntamente com a Smartie e, porque achei mesmo necessário, cheguei a pedir-lhe um abraço e a despedirmo-nos, disse-lhe que o painel tinha sido um máximo e ele disse que eu era uma querida. Ele disse que nos víamos para o ano na Comic Con e ao apontar com o dedo para mim acrescentou: "See you on instagram". Eu ri-me. You rock, Joe!

PicMonkey Collage (2).jpg

E recordações? O que trouxe como recordação da Comic Con? Bem, tirei selfies e fotos polaroids com a Smartie. Sentei-me no Iron Throne (hell yeahhhh!), tirei foto com as tartarugas ninja e afirmei-me como Hufflepuff ao tirar fotos com acessórios do Harry Potter. Além disso, a minha pessoa comprou coisas. A primeira coisa que comprei foram Funko Pops e, dessa forma, acrescentei a Bella e a pequena Moana à minha colecção (uhuhhhh!), uma vez que eram must have obrigatórios.

PicMonkey Collage.jpg

Não me quis desgraçar apenas em Funko Pops e as muitas voltas que dei por entre as bancas da Comic Con foi a avaliar os artigos. No fim? Absolvi-me do crime de abandonar uma t-shirt fantástica há uns anos atrás, com o bónus de ter comprado com referência não só ao Harry Potter, ao Senhor dos Anéis, ao Star Wars como a Game of Thrones também. Vim para casa com o Alien do Toy Story em Lego (muito, muito obrigada Comic Con: queria tannntooooooooo!), marcadores de livros do Jack e da Sally e um sticker do awesome Rei Anão do Hobbit. Nada, nada mal! Estou super contente por ter tido oportunidade de desfrutar da Comic Con este ano. Percebo, agora, que talvez tenha ficado ainda mais impressionada que o ano passado porque neste momento não vejo a próxima edição da Comic Con na minha vida como uma possibilidade mas sim como algo que quero e que vou fazer para ser real. O que será que estará reservado para a edição do próximo ano? Ahhh, mal posso esperar!

IMG_8815.JPG

 

Mais sobre mim

foto do autor

Mensagens

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

E-mail