Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Miss Nothing

"I am different ... Equal to the rest of the world."

15
Jul17

Cinema.

Apercebi-me de que, há uns tempos, o cinema contava com a minha presença pelo menos uma vez por semana: comecei a habituar-me mal. O Verão chegou e com ele vieram vários filmes que valem a pena ser vistos ainda no grande ecrã. As minhas irmãs fizeram anos no primeiro dia do mês e, além de o dia ter sido marcado com uma ida ao cinema, também o dia anterior contou com a nossa presença. Estou desde essa altura sem colocar os pés num grande ecrã e, ainda que os meus dias não sejam preenchidos com coisas menos divertidas, já sinto falta de usufruir de algo que gosto em algo que adoro.

everything-everything-poster.jpg

No último dia do mês passado fui ver o Everything, Everything. Tinha algumas luzinhas sobre o que se tratava pelo que tinha andado a perguntar a uma das minhas irmãs que tinha lido o livro. Eu não o fiz. Contudo, a publicidade feita a este filme mostrou-me os condimentos necessários para que a minha vontade de saciar a curiosidade em relação à longa-metragem perdurasse. Fiquei deliciada com o que vi, que além de me parecer verdadeiro ajudou-me a esquecer a nova política dos cinemas em relação a comida quando esta não é comprada no cinema - só mais uma estupidez que inventaram para obrigarem os clientes a gastar balúrdios -. Conhecia a actriz principal da sua participação nos Hunger Games e o rapaz, até determinada altura do filme, acreditei que se tratava do filho mais velho do David Beckham. Só depois entendi que o conhecia não por ser um Beckham mas pela sua participação no Jurassic World. A história é realmente mimosa e ilustra o amor de uma forma tão bonita que eu não consegui ficar indiferente. Se eu já adorava a ideia presente no conceito de amor, fiquei a gostar ainda mais pela crença de que histórias como aquela são reais e, em consequência, aquele sentimento tão forte também. Os meus destaques vão sem dúvida para os protagonistas. A química foi tão bem transparecida que chegou até mim. E a banda sonora? Fantástica. Isto tem sido comum nos últimos filmes que tenho visto e ainda bem.

 

dm3-adv1sheet-rgb-5-58c818a68f809-1.png

No dia seguinte, sem comidas foragidas (do ponto de vista dos cinemas), vi o Despicable Me 3. Apercebi-me, nesse mesmo dia, que vi em cinema os antecedentes da nova aventura do Gru. Quando soube que iria haver uma terceira aventura fiquei espantada. Pensei para comigo o que raio é que iriam inventar. Sou daquele tipo de pessoa que acha que, mesmo quando algo é bom, quando muito explorado pode perder qualidade. Os Minions foram um sucesso desgraçado: estão a render imenso quer em longas-metragens, quer em curtas quer na simples apresentação da Universal e Illumination.E eu compreendo, a sério. Eles são de mais. Têm piada até mais não e é tão fácil gostar deles. Quero com isto dizer que abracei a ideia de um novo filme do Gru com receio, por não saber o que poderiam inventar quando as coisas terminaram tão bem no segundo. No entanto, se houve coisa de que me apercebi ao ver o filme foi que este Despicable Me 3 apresentava, de facto, coisas novas, coisas que faziam todo o sentido e que eu ainda nem sequer tinha pensado, como a Lucy ser confrontada com o papel de mãe: como lidaria ela com isso e até mesmo as miúdas. Ou os Minions: o filme dedicado a eles deixa claro que precisam de um mestre e que são atraídos pela demonstração de poder exposta com malvadez...coisa que o Gru já no segundo começou a deixar para trás. Mais uma vez, é explorado o conceito de família, do ajuste da mesma a si própria. Tinha-me esquecido como isso é algo que eu prezo imenso. E a Agnes? Ai! Digam o que quiserem dos Minions, mas as miúdas, principalmente a Agnes, são a coisa mais adorável e é-me difícil ultrapassar a inocência e a beleza que vêem em tudo à sua maneira. Muito bom.

10
Jul17

O que foi isto que eu li?

O-Amante.jpg

 

Há uns tempos acabei o segundo livro dos novos que adquiri na feira do livro. Estive com ele por mais de duas semanas e a demora foi sustentada pela minha falta de vontade em lidar com algo que foi mais do mesmo. Só de pensar que na feira acabei por adquirir o resto da trilogia... O que o primeiro me proporcionou faz-me questionar sobre a qualidade dos seguintes.

Depois de eu ter lido o Protector, atirei-me ao Amante da mesma autora convicta da qualidade. Desta vez, em vez de um guarda costas e a menina bonita do papá eu iria ser brindada com uma designer de interiores e um homem podre de rico, aristocrata (acho que era o que estava apontado na sinopse), e eu pensei: que fixe, nunca li nada com uma rapariga com uma profissão destas. Já adivinhava o tipo de homem com que iria lidar mas estava de bem com isso: se a escritora soubesse o que estava a fazer, de algo que já está mais do que batido poderia sair algo agradável de se ler. A questão foi que aquilo que encontrei revelou-se exactamente o oposto depois de eu ter sido eludida com os primeiros capítulos.

Eu acreditei mesmo que iria gostar da história. O tipo de homem que o Jesse, o protagonista, é ficou à vista no início e eu fiquei satisfeita por me deparar com uma mulher com atitude, uma mulher que se impunha e não se deixava levar só porque o rapaz era bonito e poderoso. Contudo, o início do livro não passou disso mesmo: uma ilusão. Uma aldrabice bem diferente do que está mais para a frente.

Quebrei completamente o nível de leituras que andava a ter, passei de quatros (para cima) para um dois e meio; esse meio graças ao início e final do livro. O miolo? Tudo a mesma pasmaceira. Sexo, sexo e sexo. Foi uma história sem essência que em quinhentas e poucas páginas deu mais do mesmo e roda tudo o muito improvável. Foi mais um relacionamento repentino e isso leva-me a questionar se a autora conhece outro tipo de relações.

Este livro despertou uma data de sentimentos negativos em mim que eu às tantas fiquei confusa quanto àquilo que mais me desagradou: o livro ser mais do mesmo, a personagem feminina se ter revelado a coisa mais desenxabida ou o personagem masculino. Eu até então costumava apreciar a minha lista de personagens masculinos que adoro. Pela primeira vez criei uma categoria contrária. Achei este Jesse tão abominável que me é verdadeiramente complicado de entender como é que na sinopse está escrito que as mulheres se vão render a este homem. Ele é possessivo, obsessivo e, claramente, tem alguma perturbação mental para agir como agia para com ela. Vestir-lhe uma camisola à força porque não quer que o seu amigo a veja de top e calções, obrigá-la a fazer o que não quer, destruir-lhe um vestido em farrapos porque acha ser demasiado curto e não quer que os homens olhem para ela é a ponta do iceberg do terror que é este Jesse. E a miúda? Tão bipolar. Tão depressa está zangada como muda de atitude a um suspirar do homem - num sentido literal! - e já está a achar aceitável o facto de ele lhe estragar as roupas e de lhe comprometer o trabalho. Se houve coisa que este livro me ajudou a estabelecer foi o tipo de personagens que eu não gosto de todo.

Terminar este livro foi um alívio e deixou-me sedenta por um livro com cabeça, tronco e membros: uma coisa decente. O seguinte das leituras por que estava ansiosa foi o Dúvida Razoável. Um obrigada GIGANTE à Whitney G. por me ter ajudado a limpar a mente do desastre que foi o Amante. O Christian Grey ao lado deste tipo? É um santo. 

07
Jul17

Em horas tardias.

Chegar a casa de madrugada passou a ser sinónimo de ir à cozinha sem ignorar o estômago e atacar os restos de comida que descansam sobre o fogão. Há qualquer coisa de interessante - e que faz sentido - em atacar courgettes assadas e em penicar lasanha às três da manhã. Hoje a lua está cheia; e vê-la enquanto vinha para casa fez-me sorrir.

Mais sobre mim

foto do autor

Mensagens

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

E-mail