Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Miss Nothing

"I am different ... Equal to the rest of the world."

15
Jul17

Cinema.

Apercebi-me de que, há uns tempos, o cinema contava com a minha presença pelo menos uma vez por semana: comecei a habituar-me mal. O Verão chegou e com ele vieram vários filmes que valem a pena ser vistos ainda no grande ecrã. As minhas irmãs fizeram anos no primeiro dia do mês e, além de o dia ter sido marcado com uma ida ao cinema, também o dia anterior contou com a nossa presença. Estou desde essa altura sem colocar os pés num grande ecrã e, ainda que os meus dias não sejam preenchidos com coisas menos divertidas, já sinto falta de usufruir de algo que gosto em algo que adoro.

everything-everything-poster.jpg

No último dia do mês passado fui ver o Everything, Everything. Tinha algumas luzinhas sobre o que se tratava pelo que tinha andado a perguntar a uma das minhas irmãs que tinha lido o livro. Eu não o fiz. Contudo, a publicidade feita a este filme mostrou-me os condimentos necessários para que a minha vontade de saciar a curiosidade em relação à longa-metragem perdurasse. Fiquei deliciada com o que vi, que além de me parecer verdadeiro ajudou-me a esquecer a nova política dos cinemas em relação a comida quando esta não é comprada no cinema - só mais uma estupidez que inventaram para obrigarem os clientes a gastar balúrdios -. Conhecia a actriz principal da sua participação nos Hunger Games e o rapaz, até determinada altura do filme, acreditei que se tratava do filho mais velho do David Beckham. Só depois entendi que o conhecia não por ser um Beckham mas pela sua participação no Jurassic World. A história é realmente mimosa e ilustra o amor de uma forma tão bonita que eu não consegui ficar indiferente. Se eu já adorava a ideia presente no conceito de amor, fiquei a gostar ainda mais pela crença de que histórias como aquela são reais e, em consequência, aquele sentimento tão forte também. Os meus destaques vão sem dúvida para os protagonistas. A química foi tão bem transparecida que chegou até mim. E a banda sonora? Fantástica. Isto tem sido comum nos últimos filmes que tenho visto e ainda bem.

 

dm3-adv1sheet-rgb-5-58c818a68f809-1.png

No dia seguinte, sem comidas foragidas (do ponto de vista dos cinemas), vi o Despicable Me 3. Apercebi-me, nesse mesmo dia, que vi em cinema os antecedentes da nova aventura do Gru. Quando soube que iria haver uma terceira aventura fiquei espantada. Pensei para comigo o que raio é que iriam inventar. Sou daquele tipo de pessoa que acha que, mesmo quando algo é bom, quando muito explorado pode perder qualidade. Os Minions foram um sucesso desgraçado: estão a render imenso quer em longas-metragens, quer em curtas quer na simples apresentação da Universal e Illumination.E eu compreendo, a sério. Eles são de mais. Têm piada até mais não e é tão fácil gostar deles. Quero com isto dizer que abracei a ideia de um novo filme do Gru com receio, por não saber o que poderiam inventar quando as coisas terminaram tão bem no segundo. No entanto, se houve coisa de que me apercebi ao ver o filme foi que este Despicable Me 3 apresentava, de facto, coisas novas, coisas que faziam todo o sentido e que eu ainda nem sequer tinha pensado, como a Lucy ser confrontada com o papel de mãe: como lidaria ela com isso e até mesmo as miúdas. Ou os Minions: o filme dedicado a eles deixa claro que precisam de um mestre e que são atraídos pela demonstração de poder exposta com malvadez...coisa que o Gru já no segundo começou a deixar para trás. Mais uma vez, é explorado o conceito de família, do ajuste da mesma a si própria. Tinha-me esquecido como isso é algo que eu prezo imenso. E a Agnes? Ai! Digam o que quiserem dos Minions, mas as miúdas, principalmente a Agnes, são a coisa mais adorável e é-me difícil ultrapassar a inocência e a beleza que vêem em tudo à sua maneira. Muito bom.

5 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Mensagens

E-mail