Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Miss Nothing

"I am different ... Equal to the rest of the world."

09
Mar17

Dream Machine.

Tãooooo bom! Adeus tortura provocada pela espera, olá tortura provocada por o que se ouve ser demasiado bom. Isto é um post completo com viagens ao passado incluídas. Porque atirar-me a Dream Machine deu nisso. Estava tão entusiasmada que necessitei de experienciar a coisa dia-a-dia até sair da minha bolha. Por isso, antes do presente, antes de apreciações gerais, há passado (e depois, duas linhas que separam o passado do presente):

 

"Dia 3 de Março de 2017

 

- Saiu! Finalmente saiu! E está toda a gente a falar sobre isso. Decidi, mais uma vez, apenas ouvir tudo quando tiver o álbum em mãos, mas nada me impede de ser curiosa e cuscar reacções. A minha primeira impressão sobre a saída é que a banda bem tinha motivos para se orgulhar deste trabalho e o destacar em relação aos outros. As pessoas estão a passar-se: é cada reacção melhor que outra. Há tanta gente a dizer tanto com tão pouco: muita emoção pelo novo trabalho dos rapazes, é o que é. Eu estou tããããooooo curiosa que quase me arrependo da minha decisão! Mas coragem!

- Uma das gémeas não foi capaz de aguentar. Esteve a ouvir o álbum enquanto eu fazia bolo de aveia e crepes coloridos. Eu bem a vi a morrer à medida que as músicas avançavam. No fim, quando lhe perguntei o que tinha achado, a resposta dela quanto a sua opinião resumiu-se a gestos: um coração arrancado e lágrimas. Eu-estou-tão-feita.

 

Dia 4 de Março de 2017 (um dia depois da saída do álbum)

 

- Para que é que servem almoços de família? Para distrair uma pessoa e tornar possível não pensar no que se quer para não se cair em tentação. Bendito almoço! Bendita reunião de família com crianças por todos os lados e tios que não via há mil anos. Com três putos a portarem-se mal, a ignorarem os adultos como se fossem os reis do mundo, quem é que consegue um minuto para morrer ao pensar nas músicas que está a perder?

 

Dia 5 de Março de 2017 (dois dias depois da saída do álbum)

 

- Domingo devia significar limpezas, mas hoje foi uma saída para fotografias. E eu não podia estar mais despreocupada com o céu nublado. Que chovesse! Eu estava a desafiar! Ambas a gémeas ouviram música durante o caminho para Lisboa. Eu bem sabia o que uma delas estava a ouvir. Felizmente, a felicidade de tirar fotos ocupou a minha mente. Nada melhor do que isso para eu não pensar no álbum. Distrair-me do novo CD que ainda não ouvi é tão mais fácil quando o consigo fazer com coisas que gosto: é um facto.

 

Dia 6 de Março de 2017 (três dias depois da saída do álbum)

 

- Oh, merda! Merda, merda! Quase, quaseeeeeee arruinei tudo! Raios partam o vício do instagram! Estava tudo a correr tão bem...a espera estava a ser relativamente fácil de aguentar e BAM! Quase tudo por água abaixo por causa da porra de um vídeo. Nota mental: independentemente do que quer que seja o vídeo que me proponho a ver, o som tem de estar desactivado. É IMPERATIVO que esteja desactivado. Só por mais uns dias. Para quem esperou tanto tempo, sexta-feira está só a dois quarteirões de distância.

 

Dia 7 de Março de 2017 (quatro dias depois da saída do álbum)

 

- Está-tudo-espetado-em-todo-o-lado. Como é que eu posso sobreviver assim?! A gémea que já ouviu não faz mais do que ouvir o álbum e afirmar que quer cantar e que se não o faz é por minha causa. E as redes sociais? Oh meu Deus: as redes sociais! Elas são a minha desgraça. Se eu me arranjo com os vídeos ao tirar-lhes o som eu não o consigo fazer com fotos. Ceguei-me temporariamente. Teve de ser. As letras estão em todo o lado, fotos que vêm com a versão deluxe: um coração carenciado não aguenta. Tenho-me perguntado sobre que músicas vou gostar mais. Não me oriento com mais do que expectativa e imaginação. Mas sexta-feira está cada vez mais perto! Ahhh!

 

Dia 8 de Março de 2017 (cinco dias depois da saída do álbum)

 

- OH MEU DEUS, OH MEU DEUS, OH MEU DEUS! Chegou mais cedo! CHEGOU MAIS CEDO!

- Hoje, que a caixa me veio para as mãos, já mal aguento a ansiedade e a curiosidade. Estou tão entusiasmada, tão morta por ouvir o material novo! Infelizmente, ouvir-ouvir só depois do jantar. A outra gémea, por sua vez, já ceifou a sua espera e ouviu o CD. Disse-me de sua justiça e além do "É TÃO BOM" que eu mais tenho ouvido e por que esperava, disse-me tratar-se de uma mistura entre coisas antigas e o que já se ouviu no Kings of Suburbia.

- Ai meu Deus. Agora. A espera acabou agora. Depois de tanto tempo à espera saí da bolha que me isolava do resto do mundo e voltei a integrar-me no núcleo, sem ser estranha ao que é falado. Agora, que ouvi, percebo o que a minha irmã me disse mais cedo."

//

Ora, apreciações mais esmiuçadas? (É tão óbvio porque estou a ser tão precisa. Não se trata da minha banda preferida nem nada):

 

1) Eu tinha uma ideia pré-concebida de determinadas músicas e nada correspondeu ao que eu esperava: é o que dá quando se está totalmente a zeros quanto ao que aí vem. Não saí desiludida com ne-nhu-ma. Uma vez que comprei a versão deluxe deste Dream Machine tenho em minha posse o álbum em instrumental e, depois de ter ouvido tudo, ter isso em minha posse só me deixa mais contente. Adoro ter uma melhor percepção do que está a ser tocado e adoro MUITO mais o facto de eu conseguir perceber mais do que sons digitais. Quer dizer: eles diziam que sim, mas porra: bateria, baixo e guitarra continuam mesmo a ser tocados! Quem diria que muitos sons que eu pensava ser de sintetizadores são na verdade guitarra. E, verdade seja dita: para mim, o jeito de quem a toca parece ainda melhor.

2) Ao contrário da opinião da banda, eu não acho que um CD com mais de dez músicas se torne cansativo quando estamos a falar de algo que gostamos mesmo-mesmo-mesmo-meeeeesssssssmmmmooooooooooooo muito. Por isso, se há algo a apontar em relação a este Dream Machine é que é pequeno! Dez músicas não são o suficiente. Dez músicas sabe a pouco e eu fiquei a morrer por mais. Não admira que depois de ontem eu já tenha ouvido o álbum por mais de dez vezes. Num próximo trabalho, espero que haja mais músicas: é que nunca são de mais.

3) Em comparação com trabalhos anteriores eu não consigo sobressair o Dream Machine e colocar os outros em planos inferiores. Vejo este trabalho como uma ramificação da evolução deles enquanto músicos e, raios, cada vez que olho para a contracapa do meu CD instrumental e vejo a ficha técnica sobre cada uma das músicas fico mesmo contente ao ver a quantidade de vezes que os nomes aparecem repetidos, tornando mesmo literal o tudo-feito-por-eles. É mesmo caso para um músico se sentir orgulhoso ao pensar no progresso que fez desde o começo até agora. Por isso: o que o Dream Machine tem de melhor em relação aos outros? O amor e orgulho da banda em relação a este trabalho em particular. São coisas que se notam e que passam para quem ouve. Pelo menos a mim passou.

4) Houve determinadas músicas em que não me escapei a associações com o que já conhecia. A Boy Don't Cry, por exemplo: o início da música faz-me lembrar a Fancy da Iggy Azalea; achei a Better com arranjos semelhantes à Stormy Weather, do álbum anterior, no refrão; e Stop Babe: a maneira como a música é cantada no início fez-me pensar na música Blue da Beyoncé.

5) Mesmo sem conhecer as músicas eu já tenho como dado adquirido o gosto pelo material novo porque, sei lá: trata-se da minha banda de topo dos topos desde há anos. Portanto, o que é o Dream Machine? Mais um álbum que ganhou um pedaço do meu coração. Ia dizer o nome de cada uma das músicas para afirmar como tudo tinha sido especial e me dito alguma coisa, contudo, atrás eu já tinha feito a declaração de como este trabalho me satisfez as medidas e encheu o meu coração. Mas, porque não aguento não fazer um destaque... Stop, Babe? Uma das músicas mais bonitas que já ouvi. Uma coisa pequena, tão simples, tão deliciosa e dolorosamente sentida (como a Elysa. Ai meu Deus: o que é aquilo?! Tão awesome!). Aquele tipo de música que é tão-tão bom que até custa respirar? Yap, that type. Arrancou e conservou o meu coração. E sem dúvida uma das minhas músicas favoritas de sempre. Arghh! Como é que ainda estou viva?! ❤

 

Tokio-Hotel-Dream-Machine-2017-2480x2480.jpg

 

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Mensagens

E-mail