Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Miss Nothing

"I am different ... Equal to the rest of the world."

20
Mai17

"Serve in Heaven or reign in Hell?"

Alien_Covenant_Camp_E_One_Sheet.jpg

Quinta-feira em cinema significa: estreiaaaassss. Estava a morrer por ver este novo filme da série Aliens. Estava tão entusiasmada, tão ansiosa por ver os progressos na história, que decidi, quando soube da longa-metragem, alistar-me como uma espectadora no grande ecrã. Hell yeah: decidi ver o filme no cinema. Não é algo que toda a gente goste: das pessoas com quem me dou sou a única que gosta deste tipo de coisas...exceptuando o meu pai. Eu sugeri-lhe ir ver o filme comigo, mas mesmo que ele não quisesse: eu ia ver sozinha. Ele aceitou a minha sugestão e acompanhou-me nesta quinta, estreando-se no 4DX. Pois é, pois é: não fiz as coisas pela metade. Fui ver um filme de Aliens ao cinema e atirei-me ao estrondo que é uma experiência a 4DX. Foi a minha terceira vez (completa) numa sessão assim e a primeira do meu pai que, pelo que me apercebi, gostou imenso.

Este Alien - Covenant ainda trata de antecedentes dos filmes Aliens: é, como já deve ser sabido, continuação do Prometheus que, por acaso, eu achei fraquinho. Este? Foi melhorzinho. Quando este filme começou, cheguei a pensar que estava super enganada, que não se tratava da continuação da prequela coisa nenhuma porque referências estava quieto. Contudo, estas existiram...mas já quando o filme contava com, pelo menos, trinta/quarenta minutos (ou mais) de exibição. Não é uma sequela literal, coisa que eu pensei que fosse. O que quer isto dizer: ainda que seja continuação do Prometheus, e que venha a explicar o surgimento das criaturas de duas bocas - que eu acho fantásticas - o filme quase parece independente: não relacionado com o seu antecedente e, verdade seja dita, mais do mesmo não só face ao Prometheus como a todos os outros: uma nave grande, uma tripulação à procura de sarilhos, uma exploração que dá para o torto e BAM: temos papa para criaturas que portam ácido nas suas veias.

Em termos de história, o filme não é nada de mais. Nenhum é: é um facto, (fora o primeiro Alien porque foi a novidade); eu sinceramente já contava com este ponto por isso não houve panos para mangas que me fizessem sentir desiludida. O meu fascínio, mais do que tudo, vai para as criaturas. Estava morta pelo tempo de antena dos neomorfos, ansiosa como tudo porque a evolução cinematográfica trás coisas bem feitas e toda a gente o sabe. Há uns tempos atrás deparei-me com um artigo sobre o filme e o que me saltou à vista foi a afirmação do produtor de que a criatura estava mais perversa e...caraças porque, para mim, se houve algo que fez o filme valer algo foram exactamente os bichos de duas bocas: mais inteligentes, mais articulados (ao estilo Samara Morgan), mais mortíferos. A-do-rei. Até agora, foi dos filmes que presentou melhor o público com o terror das criaturas mas, de novo: com as tecnologias de hoje em dia para efeitos especiais não era de se esperar outra coisa. O filme, portanto, mostrou um bom aproveitamento dos recursos para proporcionar ao espectador um filme com bons efeitos visuais.

Por ter ido ver o filme a 4DX fui presenteada com o melhor: cadeiras a mexerem-se como tudo, luzes a simular relâmpagos, fumaça dentro da sala e água a fazer referência à própria e a sangue: cada vez que alguma pessoa morria e sangue era projectado eu levava com água em cima. E quando os neomorfos atacavam? Oh meu Deus: a cadeira atirava-me para os lados, uma fita batia-me nas pernas à medida que os bichos mexiam e atacavam com as caudas. Foi um máximo e potencialmente o melhor da experiência. Já mencionei que levei com água a simular sangue, não já? E que levei com muita água, não é? Quanto mais avançamos no tempo, mais a censura em cinema é posta de parte: é o que é.

Não foi um mau filme, portanto. Fui entretida e o meu gosto, alimentado pela curiosidade, foi elucidado em relação ao aparecimento dos aliens - o propósito da longa-metragem, relembro -. Houve muitas coisas previsíveis, outras um bocado mal feitas, mas tudo é suportado e ignorado pelo tempo de antena dos aliens. São, de facto, a estrela do filme (quando por fim aparecem) e brilham em todo os planos em que aparecem. Em relação à origem das criaturas até que fui surpreendida. Não estava à espera que a coisa tivesse mão de alguém e que [SPOILER] a coisa tivesse sido propositada. Cheira-me que este segmento do que antecede os filme alien a ainda não vai ficar por aqui, o que tecnicamente não é uma coisa má: mais aliens para mim: ah!

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Mensagens

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

E-mail