Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Miss Nothing

"I am different ... Equal to the rest of the world."

31
Dez17

2017 em meia revista. - II

A segunda parte do meu ano em revista, percebi, já desfolha os capítulos do melhor do meu ano. A segunda parte da história é dedicada às artes. O post deveria ser um evocar das coisas que gosto: filmes, livros, música... no entanto, ler tem sido uma mentira como já várias vezes disse. Este ano o meu goal de livros lidos ultrapassou, por pouco, a metade e com o pouco tempo que eu passei a ter decidi que em 2018 a minha meta de 50 livros irá passar a 20. O meu tempo é tão reduzido...se em 2018 conseguir ler pelo menos 20 irei ficar feliz.

Filmes, por acaso, tem sido o meu escape. Passei a usar os meus pedacinhos de tempo livre para ver filmes. Tenho-me desleixado com isso também e perdi a conta (e a memória) há quantidade e quais os filmes que vi desde Agosto. Foram vários. Vários e de diferentes estilos. Tanto me atirei a animação - como o Mune, guardian of the moon -, a filmes de acção - a memória falha-me por completo aqui - romance, drama, comédia - outras falhas de memórias profundas aqui - sem esquecer de terror. Na altura do Halloween andei a ver de quarentena filmes de terror e outros mais leves em alusão há época: em 2017 vi pela primeira vez o muito conhecido Hocus Pocus: adorei. Andei a servir-me em casa, portanto, daquilo que deixei de ir ver fora de casa. Se cinema era uma constante no início do ano isso parou após eu ver o Cars 3 e não por falta de vontade ou por desprezar os filmes que andavam e andam em exibição. Tudo se resume ao mesmo: se o meu tempo é apertado ao ponto de eu não conseguir pegar num livro e ler mais do que um capítulo de seguida, cinema é mesmo de quando em vez. Encerrei as minhas relações com o cinema por este ano e sinto-me satisfeita por as últimas idas terem valido a pena.

jYEXsix.jpg

O meu Novembro, este ano, trouxe-me uma data de coisas e memórias boas.Tratando-se de um mês de estreias para filmes Disney eu estava em pulgas para fazer parte do Universo da nova animação. A Disney deixa-me sempre com boas impressões dos seus projectos - já toda a gente o sabe -, ganhou infinitamente o meu coração no início do ano com o live action d'A Bela e o Monstro, despedaçou-me com o Cars 3 no Verão e amoleceu-me pela enésima vez com o Coco que é, de facto, uma das melhores histórias e um dos melhores produtos da marca. A fasquia está sempre a aumentar, é um facto. Achei um filme bem disposto e divertido que, além de dar que pensar, apela a belas noções de família que tocam até a um coração duro. A paixão do Miguel conquistou-me, a sua energia e a sua luta pelo que amava. É mais uma bonita história de amor da Disney/Pixar: amor para com a família, para com os amigos, para com o que sonhamos.

league-poster-sdcc-2017.jpg

Eis o último filme que vi este ano no cinema. Estava muito ansiosa pela estreia deste bichinho porque o Jason Momoa é um pedaço de homem que caiu do céu. Queria muito ver o Batman vs. Superman por pensar que ele já lá entrava. Depois veio a desilusão com a falta desse homem na longa-metragem e por fim a alegria pela vinda do filme que iria contar, de facto, com a participação de um pedaço de mau caminho. Sim, quis ver o filme só por aquele pecado. Quem não?! Entretanto, já conhecia o filme da Wonder Woman e estava ansiosa por a ver em acção novamente. Este filme surpreendeu-me, já agora. Pela positiva. Não costumo colocar as mãos no fogo pelos filmes DC no entanto este não me desiludiu. Uma longa-metragem DC não chega aos calcanhares da Marvel mas este produto não estava nada, mesmo nada mal mesmo.

 

DSC06106.JPG

E música? Ohh, passei por experiências incrivelmente boas. Logo depois de vir de Braga eu tive a oportunidade de ir ao concerto do Ben Harper. Pensei que não iria ter possibilidade de assistir, mas fui surpreendida por um presente. Foi o primeiro concerto a que fui em que estava super descontraída com as horas e não senti urgência em estar na fila para entrar desde cedo. Cheguei ao Coliseu a meia hora de as portas abrirem e fiquem num bom lugar, não ficando na primeira fila junto ao palco por opção. Foi dos melhores concertos a que já assisti, fiquei completamente deliciada e apaixonada pelo talento do artista que, sozinho em palco com uma guitarra, me proporcionou mais de duas horas espectaculares. Curiosamente, nesse dia descobri que uma pessoa que me é importante chegou a conhecer o Ben Harper num bar. Deve ter sido fantástico.

20170824_225109.jpg

Sensivelmente uma semana depois fui ver o Diogo Piçarra pela terceira vez. Foi, até, a primeira vez que me atirei aos concertos das festas de Corroios e, ainda que não tenha gostado da confusão, o concerto proporcionou-me boas memórias. Foi à semelhança de concertos passados que já  tinha assistido do Piçarra com a diferença de este ter músicas novas. Ouvir uma das músicas que mais gosto ao vivo - só existo contigo - foi das coisas mais mimosas que eu assisti. Cheguei a tocar nele por várias vezes quando esteve junto ao público. Ainda que me lembre bem da sensação da pele fria do seu tronco nu é mesmo a ideia dele a cantar as partes das músicas que mais gosto que me lembro em prioridade.

20171014_221529.jpg

Outubro não me ofereceu o último concerto do ano, mas proporcionou-me a oportunidade de ver o John Legend pela segunda vez. Apesar da confusão que se gerou a meio do concerto com uma miúda que não tinha a mínima decência nem respeito pelas pessoas que também estavam a assistir ao concerto (ia havendo molho e tudo), este concerto foi bem-BEM melhor que o primeiro que assisti dele no Meo Arena. Com a saída do novo álbum, o concerto contou em grande parte com músicas novas (boas) mas os grandes clássicos da sua carreira não ficaram de fora (ainda bem!). Tenho a salientar o espectáculo visual que foi igualmente apresentado na exposição das músicas. A magia presa na minha cabeça associada ao primeiro concerto não foi perdida, mas este último concerto do John Legend foi mesmo muito melhor!

26
Jul17

Kachow!

31310248b900b89687984d8d95bb3584.jpg

Quinta-feira passada (como assim já se passou praticamente uma semana?!) fui ver o novo filme da Pixar ao cinema. Kachow! Fico sempre entusiasmada com a chegada de um novo filme Disney/Pixar e este não foi excepção. Estava em pulgas e demasiado nervosa por desconhecer o que iria haver depois de o primeiro trailer surgir ser tão dramático. Estava cheia de medo que fosse o fim do Faísca, que o filme se tratasse de um adeus ao carro mais famoso do mundo e preocupou-me a minha decisão de ver o filme no cinema. Não me escapei de uma ou outra lágrima porque os filme Disney/Pixar tocam-me como só estes sabem fazer. Alerta de Spoiler: não estava tão errada quanto isso: o filme trata-se, de facto, de uma despedida, mas não numa perspectiva tão dramática como eu pensava: o Faísca não vai desaparecer do mapa (thanks god!).

O filme segue uma linha de que só me apercebi quando chegou ao fim. As dicas estão lá desde o início e eu nem sei como é que não me apercebi o que iria acontecer mais cedo. Nada dura para sempre, somos nós, de facto, quem tem controlo sobre o que fazemos e a nossa vida: somos quem decide quando iniciar ou encerrar um capítulo da nossa vida: esta é a base de todo o filme. O meu preferido continua a ser o primeiro: não resisto à consciencialização do Faísca sobre o que é realmente importante, contudo, houve coisas muitas importantes a serem feitas e mencionadas neste terceiro filme, o que o tornou para além de espectacular. Disney/Pixar: nunca desilude! Kachow!

15
Jul17

Cinema.

Apercebi-me de que, há uns tempos, o cinema contava com a minha presença pelo menos uma vez por semana: comecei a habituar-me mal. O Verão chegou e com ele vieram vários filmes que valem a pena ser vistos ainda no grande ecrã. As minhas irmãs fizeram anos no primeiro dia do mês e, além de o dia ter sido marcado com uma ida ao cinema, também o dia anterior contou com a nossa presença. Estou desde essa altura sem colocar os pés num grande ecrã e, ainda que os meus dias não sejam preenchidos com coisas menos divertidas, já sinto falta de usufruir de algo que gosto em algo que adoro.

everything-everything-poster.jpg

No último dia do mês passado fui ver o Everything, Everything. Tinha algumas luzinhas sobre o que se tratava pelo que tinha andado a perguntar a uma das minhas irmãs que tinha lido o livro. Eu não o fiz. Contudo, a publicidade feita a este filme mostrou-me os condimentos necessários para que a minha vontade de saciar a curiosidade em relação à longa-metragem perdurasse. Fiquei deliciada com o que vi, que além de me parecer verdadeiro ajudou-me a esquecer a nova política dos cinemas em relação a comida quando esta não é comprada no cinema - só mais uma estupidez que inventaram para obrigarem os clientes a gastar balúrdios -. Conhecia a actriz principal da sua participação nos Hunger Games e o rapaz, até determinada altura do filme, acreditei que se tratava do filho mais velho do David Beckham. Só depois entendi que o conhecia não por ser um Beckham mas pela sua participação no Jurassic World. A história é realmente mimosa e ilustra o amor de uma forma tão bonita que eu não consegui ficar indiferente. Se eu já adorava a ideia presente no conceito de amor, fiquei a gostar ainda mais pela crença de que histórias como aquela são reais e, em consequência, aquele sentimento tão forte também. Os meus destaques vão sem dúvida para os protagonistas. A química foi tão bem transparecida que chegou até mim. E a banda sonora? Fantástica. Isto tem sido comum nos últimos filmes que tenho visto e ainda bem.

 

dm3-adv1sheet-rgb-5-58c818a68f809-1.png

No dia seguinte, sem comidas foragidas (do ponto de vista dos cinemas), vi o Despicable Me 3. Apercebi-me, nesse mesmo dia, que vi em cinema os antecedentes da nova aventura do Gru. Quando soube que iria haver uma terceira aventura fiquei espantada. Pensei para comigo o que raio é que iriam inventar. Sou daquele tipo de pessoa que acha que, mesmo quando algo é bom, quando muito explorado pode perder qualidade. Os Minions foram um sucesso desgraçado: estão a render imenso quer em longas-metragens, quer em curtas quer na simples apresentação da Universal e Illumination.E eu compreendo, a sério. Eles são de mais. Têm piada até mais não e é tão fácil gostar deles. Quero com isto dizer que abracei a ideia de um novo filme do Gru com receio, por não saber o que poderiam inventar quando as coisas terminaram tão bem no segundo. No entanto, se houve coisa de que me apercebi ao ver o filme foi que este Despicable Me 3 apresentava, de facto, coisas novas, coisas que faziam todo o sentido e que eu ainda nem sequer tinha pensado, como a Lucy ser confrontada com o papel de mãe: como lidaria ela com isso e até mesmo as miúdas. Ou os Minions: o filme dedicado a eles deixa claro que precisam de um mestre e que são atraídos pela demonstração de poder exposta com malvadez...coisa que o Gru já no segundo começou a deixar para trás. Mais uma vez, é explorado o conceito de família, do ajuste da mesma a si própria. Tinha-me esquecido como isso é algo que eu prezo imenso. E a Agnes? Ai! Digam o que quiserem dos Minions, mas as miúdas, principalmente a Agnes, são a coisa mais adorável e é-me difícil ultrapassar a inocência e a beleza que vêem em tudo à sua maneira. Muito bom.

16
Jun17

Aqui estou eu a sair da minha caverna. (Então isto é que é a luz do dia?)

A casa está preenchida pelo som de notícias: a mãe chegou a casa e está a ver tv. As minhas irmãs estão a usufruir finalmente de umas merecidas férias: uma a fazer a sesta depois de termos acordado com os pássaros, outra a jogar Harry Potter na playstation2 enquanto em teclo, depois de quase uma semana afastada do meu pc que tirou uns dias para ir em arranjo. Embrenhar-me novamente no mundo virtual: não é como se eu tivesse estado verdadeiramente ausente, só mesmo do que não está a um só clique no telemóvel - isso basicamente significa blogs -. O arranjo estético do pc veio mesmo a calhar uma vez que a minha semana levou com várias andanças que me deixaram com pouco tempo para o tudo com que eu gosto de compor o meu dia. Então é isso, o meu pc foi para arranjo, voltou recentemente para mim e à semelhança da última vez que fiquei mais tempo do que o normal sem colocar aqui os pés: novidades? Cinema.

c-38a4sxkaavykz.jpg

Há uma semana atrás fui ver Wonder Woman com a Daniela. Houve muita publicidade a este filme, é um facto. Por onde quer que eu andasse na internet acabava em artigos relacionados com a Wonder Woman. No entanto, não seria a primeira vez que ouviria falar de um filme da DC, presenciaria a publicidade a este feita de forma a parecer a melhor coisa do mundo e, no fim, acabaria meio desiludida por o resultado final não corresponder ao estrondo que o trailer anuncia. Pensei mesmo que este filme fosse pelo mesmo caminho...e comecei a mudar de ideias quando, após a estreia, comecei a ver as reacções do mundo à longa-metragem. Até então, mesmo depois de ter visto o filme, não vi nenhuma crítica negativa. Sites de cinema, celebridades, fans, a opinião é geral: o filme está uma maravilha (não resisti ao uso deste adjectivo) e merece as críticas positivas que está a receber.

Eu já fazia intenções de ver o filme, contudo, depois da boa recepção que estava a ter do público quis que isso acontecesse ainda no grande ecrã. Atirei três filmes em escolha à Daniela dos que eu gostava de ver, ela atirou-se comigo à Wonder Woman e ainda bem. O filme foi uma agradável surpresa pela qualidade corresponder ao que está a ser publicitado. A Diana é mais uma personagem do qual eu não sabia muito (apenas tinha conhecimento sobre o seu nascimento porque o vi em versão animada no instagram). E se por norma eu não sei muito de super-heróis, quando estes são da DC sei ainda menos - sim, continuo sem bases para conseguir afirmar um super-herói de que eu gosto a valer com porquês -.

Ver o filme da Wonder Woman foi uma das melhores coisas que eu podia ter feito. Fui capaz de apreciar a história e fiquei contente por detectar algo com cabeça, tronco e membros na longa-metragem, sem sentir que a trama ocorria demasiado depressa ou existiam elementos em falta na história. O filme transmite uma imensa força e determinação de que o universo dos super-heróis em filme já precisava: estava mais do que na altura de trazer uma mulher à baila e abalar o mundo com o seu poder. Isso foi sem dúvida o que eu mais gostei, aliado à ingenuidade dela que a tornava tão pura em termos de valores. Vê-la incapaz de virar costas a quem precisava de ajuda, independentemente de as circunstâncias poderem resultar em algo calamitoso para ela, deixou-me de peito inchado: as mulheres são sem dúvida o sexo mais forte e este filme só o vem reforçar. O que eu acho? Duvido que mulher alguma vá ver este filme e não acabe a sentir-se um pouco mais super. Ah!

 

c8tvyd8voaain_p.jpg

E curiosidade? Eu não a aguentava. Estava demasiado ansiosa pela saída deste Múmia. Vi os outros três filmes conhecidos da Múmia e ainda que soubesse que este não era seguimento nem tinha nada a ver eu desejei a sua saída para eu me atirar a uma sala de cinema assim que possível. O trailer piorou a situação: a minha mente começou a divagar sobre o que eu poderia encontrar neste filme. A longa-metragem saiu e eu fiquei à espera de uma boa oportunidade para ir ver (aka folga) e ontem eu agarrei-a.

Ouvi algumas coisas más à volta disto? Ouvi, sim senhora. No dia em que fui ver Wonder Woman falei com o rapaz dos cinemas e perguntei-lhe se ele já tinha visto a Múmia e o que tinha achado: a sua careta disse tudo, mas o moço ainda acrescentou que a coisa estava muito fraquinha. Depois da opinião dele? Virei-me para algumas coisas online ao longo da semana e...bem: era tudo positivo. Fiquei dividida e no final decidi fazer o mais acertado: ver e decidir por mim mesma.

Depois de ver o filme cheguei à conclusão que tanto as críticas boas como as más tinham razão. O filme está uma mistura das duas coisas. Ao contrário do que o rapaz do cinema me disse, não consegui embirrar com os monstros. De facto, foi algo que gostei no filme. Percebi as bases, fez-me sentido e, além do mais, está bem feito. Este Múmia é mais um daqueles filmes recentes em que se pode comprovar os desenvolvimentos tecnológicos e visuais na indústria. A coisa está tão séria, há uma maldade tão vincada, que eu por vezes sentia necessidades de tapar a cara. Sinto que o filme tinha bases para dar bem o que falar, contudo, mesmo com coisas boas, conseguiram arranjar lenha para se queimarem.

Se eu gostei das criaturas, apreciei a múmia malvada e isso tudo, no que é que o filme ficou a perder? Bem, não suportei as tentativas de humor: pareceram-me forçadas, deslavadas e, na minha opinião, ajudou a que o filme perdesse a seriedade de um modo não muito positivo. E Tom Cruise. Até ao presente, desde que existo, não vi nem uma mão cheia de filmes com este actor e acredito que falar de mais de dois filmes já sou eu a ser generosa. Há actores com que eu não consigo lidar e o facto de eu não gostar deles dissuade-me de ver filmes com os mesmos. O Tom Cruise é um deles. A sua prestação na Múmia está qualquer coisa de fracota. O seu personagem estava a lidar com algo sério e deveria ter assumido a situação com o mesmo tom, contudo, o que Tom Cruise fez chegar até mim foi algo desleixado e falacioso. Foi o ponto mais fraco da longa-metragem assim como ele fez o seu personagem relacionar-se com outros. Para que isto não acabe com uma nota negativa: não posso deixar de falar do filme sem mencionar a múmia. Que escolha tão boa: quer em princesa, quer em cônjuge do mal. A miúda era mesmo gira, bolas.

20
Mai17

"Serve in Heaven or reign in Hell?"

Alien_Covenant_Camp_E_One_Sheet.jpg

Quinta-feira em cinema significa: estreiaaaassss. Estava a morrer por ver este novo filme da série Aliens. Estava tão entusiasmada, tão ansiosa por ver os progressos na história, que decidi, quando soube da longa-metragem, alistar-me como uma espectadora no grande ecrã. Hell yeah: decidi ver o filme no cinema. Não é algo que toda a gente goste: das pessoas com quem me dou sou a única que gosta deste tipo de coisas...exceptuando o meu pai. Eu sugeri-lhe ir ver o filme comigo, mas mesmo que ele não quisesse: eu ia ver sozinha. Ele aceitou a minha sugestão e acompanhou-me nesta quinta, estreando-se no 4DX. Pois é, pois é: não fiz as coisas pela metade. Fui ver um filme de Aliens ao cinema e atirei-me ao estrondo que é uma experiência a 4DX. Foi a minha terceira vez (completa) numa sessão assim e a primeira do meu pai que, pelo que me apercebi, gostou imenso.

Este Alien - Covenant ainda trata de antecedentes dos filmes Aliens: é, como já deve ser sabido, continuação do Prometheus que, por acaso, eu achei fraquinho. Este? Foi melhorzinho. Quando este filme começou, cheguei a pensar que estava super enganada, que não se tratava da continuação da prequela coisa nenhuma porque referências estava quieto. Contudo, estas existiram...mas já quando o filme contava com, pelo menos, trinta/quarenta minutos (ou mais) de exibição. Não é uma sequela literal, coisa que eu pensei que fosse. O que quer isto dizer: ainda que seja continuação do Prometheus, e que venha a explicar o surgimento das criaturas de duas bocas - que eu acho fantásticas - o filme quase parece independente: não relacionado com o seu antecedente e, verdade seja dita, mais do mesmo não só face ao Prometheus como a todos os outros: uma nave grande, uma tripulação à procura de sarilhos, uma exploração que dá para o torto e BAM: temos papa para criaturas que portam ácido nas suas veias.

Em termos de história, o filme não é nada de mais. Nenhum é: é um facto, (fora o primeiro Alien porque foi a novidade); eu sinceramente já contava com este ponto por isso não houve panos para mangas que me fizessem sentir desiludida. O meu fascínio, mais do que tudo, vai para as criaturas. Estava morta pelo tempo de antena dos neomorfos, ansiosa como tudo porque a evolução cinematográfica trás coisas bem feitas e toda a gente o sabe. Há uns tempos atrás deparei-me com um artigo sobre o filme e o que me saltou à vista foi a afirmação do produtor de que a criatura estava mais perversa e...caraças porque, para mim, se houve algo que fez o filme valer algo foram exactamente os bichos de duas bocas: mais inteligentes, mais articulados (ao estilo Samara Morgan), mais mortíferos. A-do-rei. Até agora, foi dos filmes que presentou melhor o público com o terror das criaturas mas, de novo: com as tecnologias de hoje em dia para efeitos especiais não era de se esperar outra coisa. O filme, portanto, mostrou um bom aproveitamento dos recursos para proporcionar ao espectador um filme com bons efeitos visuais.

Por ter ido ver o filme a 4DX fui presenteada com o melhor: cadeiras a mexerem-se como tudo, luzes a simular relâmpagos, fumaça dentro da sala e água a fazer referência à própria e a sangue: cada vez que alguma pessoa morria e sangue era projectado eu levava com água em cima. E quando os neomorfos atacavam? Oh meu Deus: a cadeira atirava-me para os lados, uma fita batia-me nas pernas à medida que os bichos mexiam e atacavam com as caudas. Foi um máximo e potencialmente o melhor da experiência. Já mencionei que levei com água a simular sangue, não já? E que levei com muita água, não é? Quanto mais avançamos no tempo, mais a censura em cinema é posta de parte: é o que é.

Não foi um mau filme, portanto. Fui entretida e o meu gosto, alimentado pela curiosidade, foi elucidado em relação ao aparecimento dos aliens - o propósito da longa-metragem, relembro -. Houve muitas coisas previsíveis, outras um bocado mal feitas, mas tudo é suportado e ignorado pelo tempo de antena dos aliens. São, de facto, a estrela do filme (quando por fim aparecem) e brilham em todo os planos em que aparecem. Em relação à origem das criaturas até que fui surpreendida. Não estava à espera que a coisa tivesse mão de alguém e que [SPOILER] a coisa tivesse sido propositada. Cheira-me que este segmento do que antecede os filme alien a ainda não vai ficar por aqui, o que tecnicamente não é uma coisa má: mais aliens para mim: ah!

Mais sobre mim

Mensagens

E-mail