Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Miss Nothing

"I am different ... Equal to the rest of the world."

19
Jun17

Ter mais gastando menos.

Ontem foi o último dia da feira do livro. Apercebi-me disso hoje quando olhei para o calendário e vi que estávamos a dezanove de Junho. Como assim a feira do livro já terminou? Sinto que não a aproveitei como devia, ainda que tenha feito boas compras e aproveitado dezanove livros no total. Estive a pensar nos gastos, agora que a feira terminou, e pus-me a fazer contas relativamente ao quanto tinha poupado no total, com as duas idas à feira. Este ano o meu orçamento era maior. Deixei o dinheiro, que ganhei da formação que fiz, de parte e estive, mais do que nas outras edições da feira do livro, à-vontade em relação a custos. Ainda que o dinheiro estivesse inteiramente reservado para livros, eu estabeleci mentalmente um limite e acho que, daqui para a frente vou manter esse orçamento, independentemente da possibilidade de ter mais na carteira.

A feira do livro de Lisboa, este ano, arrecadou 144.09€ de livros que vieram parar às minhas mãos (oh meu Deus, tanto!), deste valor apenas 55.37€ saíram do meu orçamento; do resto: foram livros oferecidos: seis pelo meu pai, cinco, tecnicamente, pela minha avó. Foi, portanto, uma poupança maior. Uma poupança de dimensões ginórmicas se eu pensar que esses 144.09€ poderiam ser, na verdade, 251.89€ caso tivesse adquirido os livros a preço de editor. A diferença entre estes dois valores foi de 107.80€, o que deixa à vista que, apesar dos gastos, houve uma senhora poupança para os três inferidos.

Este tipo de contas são um bálsamo para a alma. Deixa claro aos meus olhos que apesar de ter sido gasto dinheiro, a poupança é indiscutível e em boas proporções! Estou já ansiosa por aquilo que posso adquirir na feira no próximo ano. Acredite-se, ou não, eu já comecei a fazer lista: foi inevitável depois de ter visto determinadas coisas na feira: quero ter a certeza de que não me esqueço deles.

Ainda estou encalhada na leitura de uma das aquisições que fiz da feira, o segundo a que me atirei dos novos que foram comprados. Começou bem, mas agora está a custar-me um pouco pois estou a sensação de que é tudo igual. Há um padrão de acontecimentos desde um início que se mantém até então, já depois de metade do livro: atracção, ela diz não, ele dá-lhe a volta, enrolam-se, ela afasta-se. Atracção, ela diz não, ele dá-lhe a volta, enrolam-se, ela afasta-se....e por aí. No início, as recusas dela deixam-me entusiasmada e pensei que a protagonista tivesse uma grande força de carácter e se soubesse impor, sem admitir que uma pessoa que mal conhece mandasse nela, mas agora... Uma coisa é certa: eu não estou a cair de amores pelo protagonista, como as sinopses em todo o lado disseram que aconteceria.

09
Jun17

87ª edição da Feira do Livro. - Parte 2

20170609_165058.jpg

Segunda ida à feira do livro? Foi. A. Lou-cu-ra. Oh meu Deus. Fui para o parque Eduardo VII com a minha lista em riste, com os devidos apontamentos em relação ao que adquirir em que editoras para mais tarde não me perder. Foi a minha segunda ida à feira e a primeira vez em que usei, de facto, dinheiro do meu orçamento: as minhas primeiras aquisições foram, tecnicamente, oferecidas pela minha avó. Eis em que se resumiu o segundo assalto: onze livros. Espera, tenho de repetir: onze livros. Socorro, ainda que a minha lista fosse pseudo-grande eu não contava sair de lá com muitos-muitos livros. Vou para a feira do livro com um orçamento que eu respeito até ao fim, contudo, na altura, acabo sempre por me gerir perante os gastos e há sempre livros que ficam para trás. Este ano, tudo o que pertencia à Quinta Essência (Duas irmãs, um duque; Mais do que sedução; Sedução perigosa; Dominadas; Incontrolável) foi-me oferecido pelo meu pai, assim como o Dúvida Razoável, um dia anterior, da Topseller. Isso significou uma poupança considerável no meu orçamento. Beeeemmmm considerável.

Preto no branco, ontem comprei seis livros. Desses seis, três não levei com a magia da Hora H: os outros dois da trilogia Este Homem da Jodi Malpas (estou neste momento a ler o primeiro dos três e estou a apreciar um pouco mais do romance em comparação com a história do guarda-costas) e Um Mar de Rosas da Nora Roberts (Saída de Emergência: vende livros bem bons e só prega rasteiras na feira a quem quer comprar).

Em termos de custos e poupanças, a minha segunda ida à feira do livros tirou-me 55.37€ do bolso. Se tivesse comprado os livros com o seu preço de editor? Ter-me-iam saído a 94.65€; poupei, então, há volta de 40€. Mas, tendo em conta que vim para casa com onze livros, a poupança foi, na verdade, ainda maior. Estive a fazer as contas e se tivesse comprado os onze livros, os gastos seriam de 95.77€ (com as devidas promoções de 50%; teria pago praticamente o que dei pelos seis que levei: a preço de editor). Isto significa que por onze livros houve poupança de 80.08€. Nada, nada, mesmo nadaaaaaaaaa mau!

03
Jun17

87ª edição da Feira do Livro.

20170603_152701.jpg

Primeiro dia e balanço da feira do livro? Melhor que os outros anos. Acho impressionante como a feira nunca me parece igual. Algumas bancas, este ano, encontram-se em lugares diferentes e tudo. Fui num bom dia. Não estava a abarrotar de gente, estava calor mas um vento agradável e havia livros por todo o lado: maravilhoso. Com a excepção de dois livros, preenchi a minha lista com os preços de feira o que é bom sinal: 90% dos livros da minha lista encontram-se na feira. Do que tinha em lista comprei apenas dois, o Protector da Jodi Ellen Malpas (que já comecei a ler e estou a devorar) e o Prazer Absoluto da Cheryl Holt que estava morta por ter e não dava para aguentar mais um ano para o comprar na Hora H. De qualquer forma, tanto um como o outro comprei com descontos decentes (a minha lista tinha os preços bases para isso mesmo: fazer comparações).

O primeiro impacto da feira para mim este ano deu-se em cinco livros. Os outros três que se encontram na foto foram livros que eu encontrei, estavam baratos e acabei por levar. Fiz as contas para ver até que ponto já tinha começado a poupar e ainda que não tenha sido muito eu encontro dois lados positivos que me fazem lidar com os gastos sem cara feia: 1) na primeira ida à feira do livro não cheguei a mexer no meu orçamento: o que gastei tinha-me sido oferecido pela minha avó no dia anterior e isso faz com que, tecnicamente, possa levar mais livros do que o esperado (se eu assim desejar); 2) a diferença dos gastos com as promoções fez-me ver que deixei em bolso 12.83€ e, pouco ou não, nunca é de mais relembrar que a palavra chave da feira é poupar. Mal posso esperar por lá voltar. Ontem cheguei a dar de caras com alguns livros de ficção científica espectaculares: cheira-me que vou acabar por comprar pelo menos um livro do Alien.

31
Mai17

Vem aí a Feira do Livro.

É o último dia do mês e com isso já se avizinha aquela altura do ano que vira o Parque Eduardo VII o centro das atenções. Dá mesmo para acreditar que a Feira do Livro começa amanhã? O meu espírito está ao rubro pela ideia antecipada do que vai acontecer: o passear entre os livros, olhar como quem não quer a coisa para alguns escritores e marcar na lista mental que já vimos x e y ao vivo, a ronha no parque com uma bebida fresca e um saco na mão já fruto de compras, música ao ar livre e a certeza e que há poucas coisas melhores que aquilo. Este ano já me organizei antecipadamente. A uma semana e qualquer coisa já tinha feito uma lista com os meus interesses, devidamente marcados por editora, preços e se já entram na promoção louca da Hora H. Não me espalhei ao comprido e compus uma lista de quilómetros, a minha, com um bom espaçamento duplo, não tem mais de uma página e meia. Dou sempre margem para aqueles livros que depois em feira encontro e acabo por levar porque sim. Este ano também há a novidade de eu levar mais dinheiro do que é costume devido há formação que me ocupou durante este mês. Eu sei o que toda a gente está a pensar: é desta que ela se espalha ao comprido. Eu também poderia pensar que sim, contudo, o meu lado racional ainda me mantém com os pés assentes em terra. Estou, no entanto, curiosa: o que terá a Feira do Livro de Lisboa reservado para mim este ano?

12
Jun16

Feira do Livro.

20160612_153034.jpgA Feira do Livro em Lisboa vai terminar amanhã e eu já fechei a minha loja, sem planear voltar. Para o ano há mais. Muito, muito mais, principalmente porque muitos dos livros que desejo vão ficar a metade do preço no próximo ano. Então, sim, preciso de ter um orçamento semelhante ao deste ano em 2017 - argh, estas projecções temporais fazem-me sentir como se o tempo escapasse por entre os meus dedos, socorro! -.

A última vez que lá coloquei os pés foi na quinta-feira, o último dia das promoções a metade do preço, acho; imagino que não o vão fazer amanhã, no último dia, certo? Porque isso já me aconteceu. Ir lá com o intuito de usufruir da Hora H e não ir haver porque a feira estava prestes a terminar. Anyway, fui depois de um ataque de nervos por causa de um trabalho que estava a fazer que me levou a um choro desgraçado. O meu pai teve de interferir e tudo para me ajudar a colocar a cabeça no lugar; levar-me à feira do livro também ajudou a apaziguar-me. Cheguei lá a faltar 15 minutos para a feira terminar e, em consequência, a Hora H, mas consegui o livro que queria. O melhor de tudo? Foi oferecido. O que levou a que eu ficasse com dinheiro no bolso.

Desde o meu último post sobre a feira do livro eu apenas li mais um - ontem, por acaso -. Estive a semana toda sufocada com trabalhos para entregar e por isso mantive os bálsamos para a alma afastados das minhas mãos. Ontem devorei o Paixão sem Limites e ainda que não tenha achado uma leitura de 5 estrelas, foi agradável e eu gostei muito. Gostei o suficiente para me ir pôr ir ler o segundo e terminar ontem também. Falta-me, então, o último relativamente ao casal deste Paixão sem Limites, no entanto, acho que em vez de me atirar já a ele vou ler um dos pequenos da Nora Roberts que eu comprei.

Ora bem, balanços: este ano concluí o meu saque à feira do livro com 16 livros. Oh-meu-Deus: 16. Porque, relembro, esse livro da Linda Howard corresponde, na verdade, a 5. Comprei tudo o que desejava e constava na minha lista como prioridade. A única coisa que acabei por não levar foi só mesmo Gerge R.R. Martin pelos preços. Mas várias são as vezes que há promoções em relação à saga de A Guerra dos Tronos: é manter-me atenta e, quiçá, até ao final do ano arranje o segundo volume (aka, a outra metade do primeiro livro).

Dos 16 livros, 3 foram ofertas, portanto, o que eu gastei corresponde à compra de 13 livros. Gastei mais em relação ao ano passado, mas trouxe mais livros em relação a 2015 e o meu orçamento também era maior. Os meus gastos ficaram acima dos 70 euros, o que me deixa azul. 77,42 euros, na verdade. Contudo, nada que um balanço de poupança para me acalmar o espírito: segundo a soma dos preços de editor de tudo o que adquiri, os meus gastos seriam exactamente 183,63 euros. (Pausa para recuperação). Subtraí o que na verdade gastei na Feira do Livro este ano e a poupança foi nada mais do que 106, 21 euros. Nada, nada, nada mal mesmo! Assim vale super a pena, uhuhhhhh!

Mais sobre mim

Mensagens

E-mail