Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Miss Nothing

"I am different ... Equal to the rest of the world."

10
Jul17

O que foi isto que eu li?

O-Amante.jpg

 

Há uns tempos acabei o segundo livro dos novos que adquiri na feira do livro. Estive com ele por mais de duas semanas e a demora foi sustentada pela minha falta de vontade em lidar com algo que foi mais do mesmo. Só de pensar que na feira acabei por adquirir o resto da trilogia... O que o primeiro me proporcionou faz-me questionar sobre a qualidade dos seguintes.

Depois de eu ter lido o Protector, atirei-me ao Amante da mesma autora convicta da qualidade. Desta vez, em vez de um guarda costas e a menina bonita do papá eu iria ser brindada com uma designer de interiores e um homem podre de rico, aristocrata (acho que era o que estava apontado na sinopse), e eu pensei: que fixe, nunca li nada com uma rapariga com uma profissão destas. Já adivinhava o tipo de homem com que iria lidar mas estava de bem com isso: se a escritora soubesse o que estava a fazer, de algo que já está mais do que batido poderia sair algo agradável de se ler. A questão foi que aquilo que encontrei revelou-se exactamente o oposto depois de eu ter sido eludida com os primeiros capítulos.

Eu acreditei mesmo que iria gostar da história. O tipo de homem que o Jesse, o protagonista, é ficou à vista no início e eu fiquei satisfeita por me deparar com uma mulher com atitude, uma mulher que se impunha e não se deixava levar só porque o rapaz era bonito e poderoso. Contudo, o início do livro não passou disso mesmo: uma ilusão. Uma aldrabice bem diferente do que está mais para a frente.

Quebrei completamente o nível de leituras que andava a ter, passei de quatros (para cima) para um dois e meio; esse meio graças ao início e final do livro. O miolo? Tudo a mesma pasmaceira. Sexo, sexo e sexo. Foi uma história sem essência que em quinhentas e poucas páginas deu mais do mesmo e roda tudo o muito improvável. Foi mais um relacionamento repentino e isso leva-me a questionar se a autora conhece outro tipo de relações.

Este livro despertou uma data de sentimentos negativos em mim que eu às tantas fiquei confusa quanto àquilo que mais me desagradou: o livro ser mais do mesmo, a personagem feminina se ter revelado a coisa mais desenxabida ou o personagem masculino. Eu até então costumava apreciar a minha lista de personagens masculinos que adoro. Pela primeira vez criei uma categoria contrária. Achei este Jesse tão abominável que me é verdadeiramente complicado de entender como é que na sinopse está escrito que as mulheres se vão render a este homem. Ele é possessivo, obsessivo e, claramente, tem alguma perturbação mental para agir como agia para com ela. Vestir-lhe uma camisola à força porque não quer que o seu amigo a veja de top e calções, obrigá-la a fazer o que não quer, destruir-lhe um vestido em farrapos porque acha ser demasiado curto e não quer que os homens olhem para ela é a ponta do iceberg do terror que é este Jesse. E a miúda? Tão bipolar. Tão depressa está zangada como muda de atitude a um suspirar do homem - num sentido literal! - e já está a achar aceitável o facto de ele lhe estragar as roupas e de lhe comprometer o trabalho. Se houve coisa que este livro me ajudou a estabelecer foi o tipo de personagens que eu não gosto de todo.

Terminar este livro foi um alívio e deixou-me sedenta por um livro com cabeça, tronco e membros: uma coisa decente. O seguinte das leituras por que estava ansiosa foi o Dúvida Razoável. Um obrigada GIGANTE à Whitney G. por me ter ajudado a limpar a mente do desastre que foi o Amante. O Christian Grey ao lado deste tipo? É um santo. 

19
Jun17

Ter mais gastando menos.

Ontem foi o último dia da feira do livro. Apercebi-me disso hoje quando olhei para o calendário e vi que estávamos a dezanove de Junho. Como assim a feira do livro já terminou? Sinto que não a aproveitei como devia, ainda que tenha feito boas compras e aproveitado dezanove livros no total. Estive a pensar nos gastos, agora que a feira terminou, e pus-me a fazer contas relativamente ao quanto tinha poupado no total, com as duas idas à feira. Este ano o meu orçamento era maior. Deixei o dinheiro, que ganhei da formação que fiz, de parte e estive, mais do que nas outras edições da feira do livro, à-vontade em relação a custos. Ainda que o dinheiro estivesse inteiramente reservado para livros, eu estabeleci mentalmente um limite e acho que, daqui para a frente vou manter esse orçamento, independentemente da possibilidade de ter mais na carteira.

A feira do livro de Lisboa, este ano, arrecadou 144.09€ de livros que vieram parar às minhas mãos (oh meu Deus, tanto!), deste valor apenas 55.37€ saíram do meu orçamento; do resto: foram livros oferecidos: seis pelo meu pai, cinco, tecnicamente, pela minha avó. Foi, portanto, uma poupança maior. Uma poupança de dimensões ginórmicas se eu pensar que esses 144.09€ poderiam ser, na verdade, 251.89€ caso tivesse adquirido os livros a preço de editor. A diferença entre estes dois valores foi de 107.80€, o que deixa à vista que, apesar dos gastos, houve uma senhora poupança para os três inferidos.

Este tipo de contas são um bálsamo para a alma. Deixa claro aos meus olhos que apesar de ter sido gasto dinheiro, a poupança é indiscutível e em boas proporções! Estou já ansiosa por aquilo que posso adquirir na feira no próximo ano. Acredite-se, ou não, eu já comecei a fazer lista: foi inevitável depois de ter visto determinadas coisas na feira: quero ter a certeza de que não me esqueço deles.

Ainda estou encalhada na leitura de uma das aquisições que fiz da feira, o segundo a que me atirei dos novos que foram comprados. Começou bem, mas agora está a custar-me um pouco pois estou a sensação de que é tudo igual. Há um padrão de acontecimentos desde um início que se mantém até então, já depois de metade do livro: atracção, ela diz não, ele dá-lhe a volta, enrolam-se, ela afasta-se. Atracção, ela diz não, ele dá-lhe a volta, enrolam-se, ela afasta-se....e por aí. No início, as recusas dela deixam-me entusiasmada e pensei que a protagonista tivesse uma grande força de carácter e se soubesse impor, sem admitir que uma pessoa que mal conhece mandasse nela, mas agora... Uma coisa é certa: eu não estou a cair de amores pelo protagonista, como as sinopses em todo o lado disseram que aconteceria.

09
Jun17

87ª edição da Feira do Livro. - Parte 2

20170609_165058.jpg

Segunda ida à feira do livro? Foi. A. Lou-cu-ra. Oh meu Deus. Fui para o parque Eduardo VII com a minha lista em riste, com os devidos apontamentos em relação ao que adquirir em que editoras para mais tarde não me perder. Foi a minha segunda ida à feira e a primeira vez em que usei, de facto, dinheiro do meu orçamento: as minhas primeiras aquisições foram, tecnicamente, oferecidas pela minha avó. Eis em que se resumiu o segundo assalto: onze livros. Espera, tenho de repetir: onze livros. Socorro, ainda que a minha lista fosse pseudo-grande eu não contava sair de lá com muitos-muitos livros. Vou para a feira do livro com um orçamento que eu respeito até ao fim, contudo, na altura, acabo sempre por me gerir perante os gastos e há sempre livros que ficam para trás. Este ano, tudo o que pertencia à Quinta Essência (Duas irmãs, um duque; Mais do que sedução; Sedução perigosa; Dominadas; Incontrolável) foi-me oferecido pelo meu pai, assim como o Dúvida Razoável, um dia anterior, da Topseller. Isso significou uma poupança considerável no meu orçamento. Beeeemmmm considerável.

Preto no branco, ontem comprei seis livros. Desses seis, três não levei com a magia da Hora H: os outros dois da trilogia Este Homem da Jodi Malpas (estou neste momento a ler o primeiro dos três e estou a apreciar um pouco mais do romance em comparação com a história do guarda-costas) e Um Mar de Rosas da Nora Roberts (Saída de Emergência: vende livros bem bons e só prega rasteiras na feira a quem quer comprar).

Em termos de custos e poupanças, a minha segunda ida à feira do livros tirou-me 55.37€ do bolso. Se tivesse comprado os livros com o seu preço de editor? Ter-me-iam saído a 94.65€; poupei, então, há volta de 40€. Mas, tendo em conta que vim para casa com onze livros, a poupança foi, na verdade, ainda maior. Estive a fazer as contas e se tivesse comprado os onze livros, os gastos seriam de 95.77€ (com as devidas promoções de 50%; teria pago praticamente o que dei pelos seis que levei: a preço de editor). Isto significa que por onze livros houve poupança de 80.08€. Nada, nada, mesmo nadaaaaaaaaa mau!

Mais sobre mim

foto do autor

Mensagens

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

E-mail