Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Miss Nothing

"I am different ... Equal to the rest of the world."

15
Dez15

Então e a Comic Con?

Achei que dizer que foi fantástico soaria muito cliché, mas não posso contornar o vocabulário ou dar um bibidi-bobidi-boo na língua portuguesa e inventar melhor adjectivo. A Comic Con foi realmente isso: fantástica. Melhor do que eu esperava quando, até lá, houve tantas alterações de programa. A ideia que eu formei foi de que seria um bom sítio para estar; se não fosse pelo nível de cosplay seria pelas bancas que me iriam garantir novas aquisições de Funko Pops. Mas foi mais que isso.

O primeiro dia foi aquele em que vi menos gente na Exponor e eu deixei-me levar pelo pouco fluxo de gente para acreditar que as consequências das muitas críticas que vi no facebook eram verídicas. Mas, booo, esquece. Durante o fim de semana o que mais faltou foi sítios para andar sem esbarrar com alguém ou pedir licença para passar. Muito bom. No entanto, voltando a trás: o primeiro dia: vi a Nathalie Emmanuel - já a achava bonita; ao vivo é ainda mais -, assisti ao seu perguntas e respostas onde a achei a coisa mais adorável de sempre. Se consegui um autógrafo? Not, o que foi uma treta. Mas nada com que não consiga viver. Ela foi, também, a única coisa a que dediquei muita atenção no primeiro dia da Comic Con; o resto do tempo foi aproveitado para passeio o que foi perfeito dado o pouco que conheço do Porto - coisa que vai começar a mudar -. Antes do painel da rapariga, a Smartie encontrou o Joe Reitman e tirou uma foto com ele. Eu fi-lo no segundo dia.

20151205_155525.jpgA qualidade da foto é uma coisa que me transcende mas a câmera frontal do meu telemóvel é uma treta com que consigo viver. Dá para o que serve e foi graças a ela que fiquei com este registo fotográfico. Antes da foto pedi-lhe um autógrafo numa voz tremida não tanto pelo nervosismo de estar com uma cara da indústria cinematográfica mas por ter de me comunicar em inglês e o meu inglês ser uma porcaria.

Fazer figuras com um inglês sujo (leia-se: que não dá muito para a caixa) é algo que me inquieta. De qualquer forma, a missão foi bem sucedida, afinal: ele deu-me um autógrafo. E enquanto assinava o seu nome no meu caderno a minha mente transportou o meu espírito para os momentos em que eu estava em casa a ver os vídeos que ele partilhava na página da Comic Con e ri-me. Disse que ele era engraçado e ele, pelos vistos, achou piada porque desenhou um boneco a completar o meu autógrafo.

Foi neste segundo dia que vi mais caras conhecidas. A querida da ∞ quinn estava lá e o dia não passou sem uns dedos de conversa e umas fotos para recordação. A Maggs também marcou a sua presença na Comic Con. Vi-a nos três dias, falei com ela nos três dias e fotos não deixaram de ser tiradas. Uma cara conhecida de há já alguns anos e foi preciso ir a este evento para a ver pessoalmente pela primeira vez. Sim: só mais pontos positivos para a CC. Outro dos pontos está aí em baixo.

20151205_160005.jpg

O Mário Augusto. O MÁRIO AUGUSTO. Quando o meu rabo estava sentado no auditório principal e a Smartie fez um super zoom com a sua máquina xpto, para ver quem era o moderador do painel que íamos assistir, fiquei entusiasmada quando ela disse que era o Mário Augusto. Eu sou completamente fan deste jornalista, o seu trabalho é fenomenal e isto para não dizer que o mesmo é o sonho de qualquer uma das partículas que me compõe. Estava animada com a presença da pessoa que iria ser entrevistada, mas saber que o Mário Augusto iria ali estar deixou-me tão eufórica. Iria ser como ver um dos seus programas ao vivo e, socorro, é preciso relembrar o quanto gosto de cinema? Do quão fantástico é o trabalho e o jeito que este homem tem? Nop.

Quando o painel principal do segundo dia terminou a correria das pessoas foi para o actor que tinha estado a falar. O meu ziguezague foi para o Mário Augusto para uma fotografia que não consegui. Uns minutos mais tarde, a Smartie chamou-me à atenção para o senhor que andava a vaguear pelas pessoas e ZÁSS: aproveitei a oportunidade, tão intimidada pelo peso do seu nome que o tratei por você: quer dizer: É O MÁRIO AUGUSTO. Só reparei que a foto ficou meio tremida depois, mas who cares?! I've a photo with MÁRIO AUGUSTO! AHH! E John Noble. Foi o John Noble que ele esteve a pseudo-entrevistar. OH-MEU-DEUS.

A faltar, tipo, uma semana para o evento foi cancelada a presença do Jason Momoa na Comic Con e a sua falta foi preenchida pelo John Noble que entrou no Senhor dos Anéis e, meu Deus: preciso de afirmar o quanto adoro senhor dos anéis?! Só por isso iria valer a pena. Ele pareceu uma pessoa super querida durante o seu painel. Uma pessoa inteligente, simpática, consciente... gostei muito de o ouvir. E a sobremesa veio no terceiro dia, dia em que haveriam os meet&greets com o actor e, imagine-se: eu comprei um. Espera, eu preciso de repetir: eu-comprei-um.

20151206_170220.jpgEstava nervosa elevado ao infinito quando fui ter com o senhor. O motivo? Claro: o meu inglês sujo. Sendo um tempo só entre mim e o John Noble eu iria inevitavelmente conversar com ele, sem fugas possíveis - e nem fazia sentido, óbvio -. Todavia, a minha maior preocupação mostrou-se irrelevante e isso foi um alívio. Ele colocou-me à vontade, fez-me rir assim que me viu porque antes de mim a Smartie teve o seu meet&greet e já lhe tinha falado de mim. Então, quando me viu - aparecendo à porta em despedida à Smartie e em cumprimento para mim -, meteu logo conversa com um "deixa-me adivinhar: tu és a amiga da Vanessa" e a debitar mais umas quantas coisas sobre nós, como o facto de virmos de Lisboa e estarmos ali para a Comic Con. Cumprimentou-me com um abraço e dois beijinhos e pediu para eu me sentar enquanto falávamos um pouco.

Estava uma chávena vazia sobre a mesa mas o cheiro a café ainda se sentia: agradável. Disse-lhe que estava nervosa, pois claro, e fazia intenções de lhe pedir desculpa pelo meu inglês pelo receio de ele não me perceber mas acabei por deixar isso de parte. O homem olhava para mim com um sorriso na cara que parecia genuíno. Senti que estava contente por ali estar a conviver com pessoas que gostavam de si e que aquilo não era uma seca para ele. Gostei mesmo muito disso. E não vamos colocar paninhos quentes: bem sabemos como há gente que parece apreciar o apoio e carinho recebido mas depois... O John pareceu fugir à regra e eu, pelas raras vezes em que me engano, confiei na minha intuição.

Como sou uma desgraça, o único trabalho seu que eu conhecia e continuo a conhecer a valer é o seu papel no Senhor dos Anéis e quis usar isso para desenvolver uma conversa. Falei-lhe do cancelamento do Jason Momoa e de como tinha ficado contente por saber que ele, John, vinha à Comic Con porque apareceu no senhor dos anéis e eu a-d-o-r-o este universo. Antes eu planeava fazer perguntas sobre isso - tentar! -, mas a conversa que se desenvolveu nem teve nada a ver. Deu-me um autógrafo e enquanto o escrevia contou-me uma história em que uma vez se enganou a escrever o nome de alguém. Depois, perguntou-me o que ia fazer quando saísse dali e eu disse que ia fazer compras e tirar fotos a coisas que ainda não tinha visto. A conversa foi parar à nave do Star Wars e ao carro do Regresso ao Futuro, que ele se mostrou super entusiasmado por saber que lá estava e afirmou que precisava de ver.

Tirámos selfies. A foto que coloquei aí em cima foi uma das últimas. Ele abraçou-me e disse "look at that smile!" e eu ri-me e click, click, click: o meu dedo a carregar repetidamente no botão para registar o momento porque ele estava a ser super querido comigo. Disse-lhe que adorava o instagram e que ia colocar uma das fotos lá. Ele, alheio ao objectivo do instagram, perguntou-me do que é que aquilo se tratava e eu expliquei-me - eu-expliquei: wow; com o meu inglês sujo! - e como estar em contacto com o bicho é melhor do que usar só palavras - principalmente se estas são em inglês e provenientes de mim -, perguntei-lhe se ele gostava de ver o meu ao que ele disse que sim. Eu vou dizê-lo com todas as letras: eu passei o meu telemóvel ao John Noble e deixei-o ver as minhas fotos do instagram antes de ele me perguntar como é que aquilo funcionava e de eu o ensinar. Depois o tempo acabou e eu levei o meu rabo para fora da sala, mas: AHHH! Isto significa que, tecnicamente, o meu telemóvel foi tocado por alguém que foi enxotado pelo Gandalf. A minha euforia ainda não tem limites.

PicMonkey Collage.jpgRecordações da Comic Con: claro que há - além do bilhete e da pulseira que estão religiosamente guardadas num sítio seguro. Tenho o hábito de atacar, nestes eventos, marcadores de livros e autocolantes. Os marcadores de livros escaparam porque, de facto, nem me lembro de ver algum, mas os stickers não. Encontrei esse Drogo e tive mesmo de o levar. O Jason Momoa pode não ter comparecido na Comic Con mas levei um Khal Drogo para casa para que, de certa forma, não me faltasse nada. E por mais cinquenta cêntimos levei esse Baymax que é só a coisa mais fofa do mundo. A minha desgraça esteve ao nível de Funko pops.

20151210_151341.jpgQuatro. Eu trouxe quatro funko pops para casa e ainda estou meio parva comigo. Quer dizer, quatro?! Wow. Mas se eu podia... E isto para não dizer que eu não usufrui do dinheiro dos meus anos exactamente para me desgraçar na Comic Con. O meu principal objectivo era a Leeloo do Quinto Elemento que é só um dos meus filmes preferidos de sempre. Com ela veio a Elsa e os mini bonecos de neve e, mais tarde - no último dia do evento -, a Merida e a Sally do Nightmare Before Christmas. Todas elas faziam parte da minha lista - sim, há uma lista - e seriam figuras a adquirir com o tempo caso os meus anos não tivessem surgido entretanto e me proporcionado estes mimos. Só coisas boas portanto: Funko pops, autocolantes - ahah -, selfies com famosos, autógrafos, fotos a objectos de filmes marcantes como o Regresso ao futuro e Star Wars - sem deixar de parte o trono de ferro que estava em frente a um pano verde; sim, O TRONO de ferro -, encontros com pessoas queridas que sabe sempre bem ver quer seja pela primeira vez ou não, gargalhadas e mais momentos que serão difíceis de esquecer pela boa impressão que esta experiência teve em mim. Será definitivamente para repetir. Talvez um...até para o ano!

20151206_102616.jpg

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

Mensagens

E-mail